Adsense

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Excel 2007 - Super Cases - País dos Impostos





Já não deve ser novidade para ninguém que um certo país do terceiro mundo é considerado o país dos impostos. Para um país que presta um serviço medíocre não poderia cobrar 40% dos ganhos dos trabalhadores em forma de impostos. Se deste percentual oferece gratuitamente água, luz e telefone e saúde, já seria uma grande coisa, mas mesmo cobrando por estes serviços, o produto costuma ser de qualidade duvidosa.

Pensando em abrir os olhos dos cidadãos fiz um Super Case que explora vários recursos do Excel já apresentados em formato de Super Dicas, para que vocês observem e exercitem nesta tabela como vocês se enquadram nos índices aqui apresentados.

Fiz uma pesquisa apenas superficial dos índices de impostos usados neste exercício, sendo assim considerem os valores apenas como referência.

Figura - 01

Nesta imagem podemos ver vários recursos gráficos enfatizando os números constantes na tabela. O objetivo aqui é chamar a atenção e facilmente esta tabela poderia ser inserida numa página de jornal de uma matéria do gênero.

Note que no exercício tomamos como base um salário de R$ 5.000,00 mensais, cujos impostos pagos anualmente chegam a quase R$ 30.000,00, o valor de um carro, amigo!!!

Eu aprendi a fazer o controle de minhas contas projetando o resultado anual e pude perceber que pequenas cifras mensais tem grande relevância quando tratadas de forma anual. Uma simples conta mensal de R$ 30,00, se torna um grande número se olhássemos o resultado anual. É isto o que importa no final das contas.

Figura - 02

Ao fazer análises anuais é possível ver na figura 2 acima o que poderia ser feito com metade do dinheiro pago em impostos, se o governo reduzisse pela metade estas cifras abusivas.

Cada um prioriza seus gastos do seu jeito, mas no caso do cidadão acima que ganha um bom salário e por isto paga uma pequena fortuna para o governo todos os anos, ele poderia com a metade deste valor por exemplo, viajar para a Disney, fazer uma outra viagem local com direito a hotel de qualidade por 10 dias. Daria ainda para dar uma reformada em casa, quem sabe pintar parte da casa. Também poderia entrar no universo das grandes TVs de LCD e montar seu cineminha em casa. E pra não ficar só no consumo, poderia reservar uma grana para um curso de férias para se reciclar e quem sabe com maior conhecimento melhorar sua renda mensal.

Eu usei este exemplo como ilustração, mas você pode fazer as contas dentro da sua realidade, seja ela maior ou menor em valor do que esta, mas saiba que 40% dos seus ganhos você não pode administrar como gostaria. O governo quer para ele, rrrrrrrrrrr!

Tudo isto é podado das pessoas ao pagar estas fortunas para um governo que tem ambição de primeiro mundo mas presta serviço de submundo. Se o governo cortasse 50% dos seus gastos com jatinhos,mansões, pensões absurdas para desocupados e reduzisse a corrupção, certamente você não precisaria pagar 40% do seu salário para sustentar esta máquina mortífera. Penso que com boa e honesta administração, 20% seria suficiente para governar bem um país do tamanho do nosso.

Mas o povo se contenta com uma cestinha básica e uns trocados e votam felizes nos seus governantes. Não caiam nesta armadilha, vote consciente! Não se contente com porcaria, você pode muito mais!

Se quiser uma cópia deste arquivo em Excel 2007, faça seus comentários e siga para o link:

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Excel 2007 - Super Dicas - Importação de Textos - Parte 2







Olá amiguinhos,

Para completar nossa Super dica sobre Importação de Textos, vamos ver mais algumas ilustrações:


Figura - 06

Vamos usar a função de texto chamada ARRUMAR para começar nosso trabalho. Esta função tem como objetivo eliminar do texto original todos os espaços em branco excedentes antes e depois do texto.


Figura - 07

Na figura 7 acima usamos uma outra função de texto chamada Localizar em conjunto com a já conhecida função Extrair Texto (vide Super Dica) para começarmos a organizar nossa tabela.

=EXT.TEXTO(B2;1;LOCALIZAR(" ";B2;1))

A idéia da função Localizar é identificar qual o número da posição do primeiro caracter "vazio" da esquerda para a direita, ou seja, o espaço. Encontrando este número usá-lo como último caracter da função EXT.TEXTO.

O resultado desta função será a extração da primeira palavra encontrada na linha do texto. Isto não é suficiente para nossas pretensões, afinal queremos todas as palavras que compõem o Título. para isto criamos uma cadeia de pontos usando a função Localizar.

Veja na figura abaixo a nossa idéia.
Figura - 08

Vamos interpretar esta função:
=SE(ÉERROS(LOCALIZAR(" ";$B2;1+H2));H2;LOCALIZAR(" ";B2;1+H2))
Observe que a primeira função Localizar segue o mesmo padrão da mencionada anteriormente só que soma ao ponto de partida do deslocamento o número encontrado na posição anterior. O que quero dizer é que se para encontrar a posição do primeiro espaço no texto que é 5, conforme aparece na célula H2, o resultado da célula I2 será a localização do segundo espaço, pois estamos iniciando a localização depois da posição do primeiro espaço.

O resultado será a posição do segundo espaço, que no caso chegou a 17.Colocamos uma função condicional SE para que quando encontrar um Erro (Função ÉERROS) na fórmula, manter o resultado da coluna anterior. O erro ocorrerá quando o texto não tiver mais do que duas palavras. Repetimos esta fórmula em sete colunas, pois os nomes dos Títulos das Reflexões pode ter até 7 palavras.

Observe que a primeira reflexão fixa na posição 17 até a sétima coluna, visto que esta refelxão tem apenas dois espaços para encontrar a posição. Outras Reflexões podem ter mais posições de espaços por terem mais palavras na sua formação.

Figura - 09

Veja em destaque que a Reflexão Grão de Areia e Grão de Feijão tem várias palavras e portanto várias posição de espaços a serem identificadas.

Figura - 10

Apenas para completar a última variável necessária para separarmos o Título da Categoria de nossas reflexões vamos contar o total de caracteres que tem em cada linha de texto usando a função NUM.CARACT já demonstrada em uma Super Dica anterior.
Vamos separar primeiro a Categoria.

Figura - 11

Note que a função Texto Direita foi usada para resolver a questão. Esta função extrai de um texto os caracteres a partir da direita do texto conforme a contagem da segunda variável da função que é o recuo.

=DIREITA(B62;G62-N62)

Onde B62 é o texto original, G62 é o número total de caracteres do texto original e N62 abriga o total de caracteres a ser abatido para se achar o recuo necessário a partir da Direita. No caso da Reflexão Grão de Areia e Grão de Feijão o recuo foi de 8 posições. O resultado da função texto Direita foi a palavra Natureza e é a Categoria desta Reflexão.

Figura - 12

Para finalizar usamos a função EXT.TEXTO para extrair o Título da reflexão.

=ARRUMAR(EXT.TEXTO(B62;1;G62-NÚM.CARACT(E62)))
Note que o deslocamento à direita é uma operação que deduz do total de caracteres em G62 o total de caracteres da célula E62 que é a Categoria. Em outras palavras o Título foi obtido por eliminação da Categoria.

A função ARRUMAR foi usada para eliminar espaços que podem ficar de um lado ou de outro do texto após a extração.

Fim do processo, agora temos em duas colunas o Título e a Categoria de cada Reflexão.


Importação de textos Parte 1


Para saber mais vejam todas as Super Dicas no link abaixo:

Lista Completa das Super Dicas.

Excel 2007 - Super Dicas - Importação de Textos - Parte 1







Olá amiguinhos,

Uma tarefa muito comum é importar arquivos no formato texto para dentro do Excel. Estes arquivos normalmente contém tabelas de dados que o usuário gostaria de usar para adicionar cálculos analíticos no Excel.

Hoje vamos aprender nesta Super Dica como o Excel trata as importações de texto de forma que os números do arquivo de texto original possam ser manipulados com fórmulas no Excel.


Figura - 01

Na figura 1 acima está demosntrando como salvar uma página da Internet em formato texto. Nesta página estão listadas as reflexões do Tio Ilmo extraídas do Blog Máximas e Reflexões. Quando tiver um tempo visite este Blog e conheça este lado poético do Tio Ilmo, rs.

Voltando ao planeta Excel...

Figura - 02

A figura 2 acima mostra o arquivo texto aberto no Bloco de Notas. Observe que aquela tabela bonita e organizada que estava originalmente no Site, agora se transformou num listão esquisito sem separação de colunas entre Título da Reflexão e categoria da mesma. A nossa missão é tentar re-organizar isto no Excel para poder usar os dados em colunas distintas.

Vamos importar este arquivo para o Excel...


Figura - 03

A tela na figura 3 acima aparece quando você tenta abrir um arquivo texto no Excel. Ele oferece dois tipos de classificação para os dados originais do arquivo texto: DeliminatoLargura Fixa. O Delimitado é mais útil quando o arquivo original tem um caracter de separação entre as palavras no aquivo original.
Caracteres de separação podem ser vírgulas, ponto e vírgulas, barras, espaço etc...

O Largura Fixa é usado quando se quer definir manualmente a separação das colunas. Neste caso é necessário que cada campo do arquivo texto seja mais uniforme em termos de tamanho.

No nosso caso vamos usar a opção Delimitado visto que não temos uniformidade no tamanho dos campos. A opção que nos resta para separar em colunas é o "Espaço" entre as palavras. Muitos arquivos textos originados de bancos de dados gigantes já são criados com caracteres de separação para facilitar esta operação, tais como vírgulas, barras ao invés de ter aoenas o "espaço" entre as palavras. Isto facilita o trabalho na importação. Não é o nosso caso, pois nosso arquivo original separa as palavras apenas pelo espaço entre elas.

Figura - 04

Na figura 4 acima você vê o resultado de nossa importação. Note que o título da reflexão foi quebrado em várias colunas. Isto ocorreu porque os títulos das reflexões são compostos de várias palavras.
A última coluna de cada linha mostra a Categoria de cada reflexão. Neste caso isolar a categoria foi um fator positivo. O problema é que por conta da quebra do Titulo, a Categoria ficou isolada em várias colunas distintas ficando difícil analisar a tabela.

Apenas para mostrar como ficaria a importação se não escolhecemos o Delimitador de espaço:


Figura - 05

Não demarcamos o delimitador Espaço na importação e o texto foi importado integralmente numa única coluna. Para nosso exercício esta é a melhor opção visto que usaremos funções do Excel apra separa o Título da Catageria de cada Reflexão.

Na próxima etapa desta Super Dica vamos dar sequência neste exercício a partir deste ponto. A ídéia é quebrar a tabela em apenas duas colunas para ficar semelhante ao que está originalmente no Site, o Título completo numa coluna e a Categoria na outra.


Assista todas as Super Dicas no link abaixo:

terça-feira, 18 de maio de 2010

Excel 2007 - Super Cases - Lista de Compras





Quem já não se deparou no supermercado com alguém a sua frente no caixa retirando coisas do carrinho a medida em que a pessoa da caixa vai contabilizando a compra. Elas observam que seu dinheiro não vai dar pra pagar o total da compra e começam a selecionar os itens mais prioritários.

Caso você seja um destes típicos brasileiros sugiro que você antes de ir ao Supermercado da próxima vez, faça uso deste Super Case Lista de Compras para auxiliá-lo a tomar a decisão previamente.

Na figura a seguir você verá uma tabela representando a lista de compras. A tabela contém seis colunas sendo que duas delas vamos usar para auxiliar na nossa decisão.

Figura - 01

Para caber na ilustração eu selecionei apenas os itens finais da tabela, mas saiba que esta lista contém cerca de cinquenta itens classificados por Categoria e por Prioridade.

Como se pode ver na figura, logo abaixo do total dos itens da lista tem uma linha chamada de Caixa Disponível que é o valor que o cidadão pode gastar sem estourar o orçamento. Mais abaixo a diferença aparece em destaque.

A idéia aqui é usar filtros na tabela para encaixar a lista de compras no orçamento. Para saber mais sobre Filtros confira a Super Dica que trata do assunto. Super Dica Filtros.

Também estamos fazendo uso da função SubTotal já explanada na Super Dica Função SubTotal.

Vamos ao primeiro filtro que é selecionar os itens por Prioridade. Para começar vamos escolher apenas os itens de Prioridade 1, afinal é assim que decidimos nossos gastos no dia a dia, certo? Espero que sim, rs.

Figura - 02

É possível ver que agora está sobrando algum dinheiro e por conta disto sendo um bom brasileiro vamos gastar mais encaixando mais alguns produtos nesta lista. Vamos mais no campo Prioridade selecionar a Prioridade 2 e ver aonde chegamos.

Figura - 03

Agora o alerta vermelho acionou novamente e temos que cortar alguns itens da lista. Estouramos em R$ 70,30. Obviamente vamos escolher os itens da Prioridade 2 e de preferência os mais caros dentre estes.

Figura - 04

Agora as coisas estão melhores ajustadas. Eliminamos alguns itens caros da Prioridade 2 e ainda sobrou R$ 3,30 que pode ser gasto com uma quantidade maior de algum item da Prioridade 1 ou 2 conforme a necessidade.

Espero que com este Super Case, você consiga se planejar melhor e não empaque mais as filas nos caixas de Supermercados. É claro que para se ter uma idéia de quanto vai gastar antes de sair de casa, recomendo consultar os gastos de sua última compra e gravá-los para serem usados numa tabela como esta.

Veja todos os Super Cases no link abaixo:

Excel 2007 - Super Dicas - Função SubTotal



>

Muitas vezes esquecida a função SubTotal substitui a tradicional Função SOMA com louvor. Nesta Super Dica vou dar um exemplo de seu uso numa tabela com filtros.
Figura - 01

Na figura 1 acima vemos uma tabela com filtros em um de seus campos chamado de Categoria. Nesta tabela chamada de Lista de Compras a idéia e saber qual o total do valor dos itens nas Categorias Frios e Congelados. A função SubTotal abrange todos os itens da tabela como se pode ver na área contida nela.

=SUBTOTAL(9;H7:H57)
A função SubTotal  construída com duas variáveis, sendo a primeira um código da operação a ser feita que pode ser qualquer uma das listadas abaixo na figura 2.

Figura - 02

No nosso caso usamos a função SOMA que é obtida com o código 9.

A outra variável é a área onde será feita a operação. No exemplo acima a área é H7 até H57.

Uma vez entendido como funciona esta função, veja agora a sua versatilidade. Na próxima figura vamos aplicar um filtro adicional no campo Prioridade para que somente os itens de prioridade 3 sejam mantidos.

Figura - 03

Se comparar com a primeira figura, verá que assim que foi aplicado o filtro a função SubTotal acertou o resultado automaticamente. Isto não seria possível se estivéssemos usando a função SOMA.

Espero ter ajudado vocês a conhecerem mais um método de ganhar produtividade no seu dia a dia.

Veja todas as Super Dicas no link abaixo:



quinta-feira, 13 de maio de 2010

Excel 2007 - Super Case - Público Alvo e Projeção de Vendas - Parte 1





Olá amiguinhos!

Hoje neste Super Case vamos detonar as técnicas de cálculos percentuais visando estimar o Público Alvo e a Projeção de Vendas neste fantástico Super Case.

Aqui nós vamos dar muita ênfase aos cálculos e pouca exploração de recursos do Excel. Se você tem dificuldade com cálculos percentuais recomendo antes um estudo desta matéria em Sites especializados. Vou ser o mais didático possível, mas espera-se conhecimentos básicos de percentagem para um melhor aproveitamento do exercício.

Você é um produtor de brinquedos e quer re-lançar uma boneca que tem potencial de atingir 70% da população feminina entre 0 e 4 anos de idade e 30% da população feminina com idade entre 5 e 9 anos no seu país.
No ano 2000 você lançou um produto similar, para o mesmo público e atingiu no primeiro ano 50% do publico potencial. Dez anos depois (2010) conseguiu crescer suas vendas em 30% na faixa 0-4 anos e 20% na faixa 5-9 anos.
Quantas bonecas deste modelo você vendeu em 2000 e em 2010?
Mantendo este crescimento para a próxima década, quantas bonecas venderá em 2020?

Figura - 01

Na figura 1 acima você consegue ver os dados População Feminina Total por faixa etária no primeiro bloco de dados.

No segundo bloco de dados já estamos calculando o Público alvo com base nas informações dadas acima. Conforme mencionado 70% da População Feminina na faixa etária de 0-4 anos de idade é seu Público Alvo e 30% na faixa etária de 5-9 anos também. Sendo assim o cálculo é simples conforme se vê na fórmula.

=D22*0,7

Onde D22 é a População Total de 0-4 anos e 0,7 representa 70% desta população chegando ao Público Alvo. A mesma conta foi feita para a faixa de 5-9 anos, porém com 30%.
Figura - 02

Na figura 2 é possível a fórmula que calcula as vendas de bonecas no ano 2000 que representa 50% do Público Alvo nas duas faixas etárias.

=D27*0,5

Onde D27 é o Público Alvo da faixa etária de 0-4 e 0,5 representa 50% deste público foi atingido pelas vendas conforme mencionado no exercício. O mesmo cálculo foi feito para outra faixa etária.

Figura  - 03

A figura 3 acima mostra o cálculo de crescimento das vendas de 30% em 2010 sobre o resultado de 2000 na faixa etária de 0-4 anos.

=D32*1,3

Onde D32 é o total de peças vendidas em 2000 para a faixa etária de 04- anos e 1,3 é o índice de crescimento.

Apenas para explicar porque o índice é 1,3:

O número 1 neste índice representa o mesmo que multiplicar o resultado de 2000 por 1, ou seja, o resultado seria extamente o ano de 2000. Ao acrescentar mais 0,3 se obtém o resultado já com o crescimento embutido.

Respondendo as perguntas feitas no início do exercício as vendas para cada um dos períodos.
2000 = 4.165.520
2010 = 5.293.034
2020 = 6.734.375

Na próxima etapa deste Super Case vamos valorar as quantidades vendidas de tal forma a saber o Valor total vendido para o público da área Urbana e Rural.


Assine nosso FEED:

Excel 2007 - Super Case - Público Alvo e Projeção de Vendas - Parte 2





Considerando que a população Urbana representa 80% do total das suas vendas e sendo assim possa pagar 100% do preço base da sua boneca enquanto a população rural que representa 20% do total das suas vendas possa pagar somente 60% do preço base , qual seria o seu faturamento considerando que o preço base é de R$ 20,00 por peça?


Figura - 04
 
Na figura 4 acima podemos ver que conforme citado no exercício 80% das quantidades de peças vendidas foram a para a população Urbana. A diferença (20%) foi para a população rural.
 
=D45*0,8
 
Onde D45 é igual ao total das vendas e 0,8 representa 80% deste total. A mesma fórmula foi aplicada para a a população rural trocando o percentual de 80% por 20%. Também pode ser calculado pela diferença entre o Total das vendas e a população Urbana.
 
Figura - 05
 
Na figura 5 acima é demonstrado como foi feito o cálculo do valor das vendas para a população Rural. Note que o preço colocado na célula E52 foi multiplicado pelas quantidades vendidas e depois por 0,6 que representa uma redução para 60% do preço base uma vez que a população rural não pode pagar 100% do preço base. O cálculo para a população Urbana apenas toma em conta o preço e as quantidades já que esta população pode pagar 100% do preço base de cada peça.
 
Respondendo a pergunta o faturamento de cada ano fica assim:
2000 = R$ 76.645.563,00
2010 = R$ 97.391.830,00
2020 = R$ 123.912.425,00
 
Na etapa a seguir vamos dividir a população por região geográfica e separá-la em dois grupos de renda familiar.
 
Parte 3

Excel 2007 - Super Case - Público Alvo e Projeção de Vendas - Parte 3









Se separarmos o Público Alvo em dois grupos. Um de famílias com renda mensal familiar inferior a R$ 1.500,00 e outro grupo com renda superior a este valor, qual seria o volume vendido por cada região sendo que as vendas são proporcionais dentro de cada grupo de renda e o grupo de renda menor comprou apenas 10% do total de bonecas vendidas.
Figura - 06

Na figura 6 acima está p cálculo de 10% das vendas para o público com renda inferior a R$ 1.500,00.

=D45*0,1

Onde D45 é o total das vendas e 0,1 é 10% deste total.

Figura - 07

Na figura 7 está o cálculo proporcional das vendas por Região com base no Público Alvo.

=ARRED((D87/D89*D94);0)

Onde D87 é o Público Alvo da região Norte e D89 o Público Total com Renda inferior a R$ 1.500,00. Ao dividir D87 por D 89 se obtém a parte percentual do Público da região Norte. Na célula D94 está o total das vendas para este público e por esta razão foi usada como base para este cálculo proporcional. As vendas para a região Nordeste foram obtidas pela diferença entre o Total e a região Norte.


Figura - 08


Na figura 8 acima se observa que pela diferença entre o total geral das vendas e o total do público com renda inferior a R$ 1.500,00 mensais se obtém o total das vendas do público com renda superior a este valor.

Figura - 09


Na figura 9 se repete o mesmo cálculo proporcional citado na figura 7, porém agora para dividir por região as vendas do público com renda superior a R$ 1.500,00 por mês.

Com estes cálculos se obtém toda a distribuição das vendas por Região e Renda Familiar respeitando as premissas estabelecidas no início do exercício.

Neste Super Case você aprendeu a calcular de forma simplificada o Público Alvo para um determinado produto baseando-se em premissas previamente estabelecidas. Este tipo de cálculo, considerando uma maior complexidade é claro, é muito usado por empresas que precisam saber o potencial de vendas de seus produtos e assim determinar vários indicadores como o direcionamento do investimento em mídia e outros recursos de vendas por Região, Perfil do Público Alvo etc...

Não deixe de acompanhar todos os Super Cases do nosso Blog, uma vez que eles tratam de diversos assuntos (de lazer a negócios) e certamente um deles o ajudará a tomar importantes decisões no dia a dia.

Excel 2007 - Super Case - Números Mágicos - Parte 1 - Visão Geral



>

Olá Amiguinhos!

Hoje é dia de brincar com números. Vou ensinar vocês a criarem uma planilha com um jogo de adivinhação de números. Como vamos utilizar alguns recursos de nível intermediário, recomendo que você veja as Super Dicas relacionadas aos comandos que vamos usar sempre que o recurso for utilizado.

Vamos a figura 1 para apresentarmos melhor este Super Case que chamamos de Números Mágicos.
Figura - 01

Se julgar necessário amplie as figuras clicando sobre elas.

Na Figura 1 acima vemos uma tabela com cinco linhas, cada uma representada por uma letra de A até E e algumas colunas ao lado preenchidas com números.

Mais abaixo um pequeno quadro entitulado "Linhas" para que em cada uma das 4 células seja digitada uma das 5 letras possíveis. Estas células são controlada por Validação de Dados para que somente uma das cinco letras sejam aceitas em cada célula.

Ao lado um outro quadrinho com a resposta relacionada com o conjunto de letras digitado.

Este jogo consiste em digitar um conjunto de letras visando mostrar qual número corresponde às letras mencionadas na tabela de Linhas. Podem ser digitadas de uma a quatro letras.

A brincadeira funciona da seguinte forma:

Você pede para alguém mentalizar um número de 1 a 30 e depois peça a pessoa para olhar na tabela principal e ver em quais linhas o número escolhido aparece. Uma vez identificadas as linhas, a pessoa digita as letras correspondentes às linhas na tabela "Linhas". O resultado vai aparecer ao lado confirmando a escolha do número. Você, o "Mágico", não pode olhar o que a pessoa está digitando.

De posse do conjunto de letras, a pessoa te diz as letras e você que é o mágico vai adivinhar qual o número que a pessoa escolheu, baseando-se apenas no conjunto de letras citado pela pessoa.

São mais de 150 combinações de letras e o mágico vai responder em menos de um minuto qual o número escolhido pela pessoa.

Na sequência vamos explicar passo a passo a construção deste jogo.

Parte 2 - Cálculo

Excel 2007 - Super Case - Números Mágicos - Parte 2 - Cálculo da Resposta





Vamos olhar algumas Figuras para entender como a planilha foi construída:



Figura - 02


Como foi citado anteriormente para o cálculo funcionar corretamente fizemos uma limitação na entrada das letras das linhas usando o recurso de Validação de Dados.

Uma vez digitadas as letras, o cálculo vai procurar uma resposta para este conjunto de letras.


Figura - 03

Observe que usamos uma função PROCV que vai buscar numa tabela a resposta para o conjunto de letras. Na fórmula fizemos uma concatenação das quatro letras digitadas para que a função encontre um evento correspondente na tabela para retornar o resultado. Conforme sinalizado acima, é possível ver que o número "6" aparece nas duas linhas mencionadas "BC". Aliás, a única resposta possível para esta composição é o número "6".
Figura - 04

Na figura 4 acima vemos na fórmula as células correspondentes às letras escolhidas sendo concatenadas.


Figura - 05

Colocamos uma Formatação Condicional na reposta para que quando a entrada for inválida apareça apenas uma barra vermelha. Isto foi feito formatando o número e o preenchimento das células quando a resposta não for encontrada. Este comando é útil para alertar o usuário de que a entrada é inválida. Esta condição somente irá ocorrer quando as células estiverem vazias, uma vez que já criamos a Validação de Dados.

Figura - 06

Observer na figura 6 acima um pedaço da tabela onde são coletadas as respostas para a função PROCV (Assista as Vídeo Aulas de Excel para aprender a usar o PROCV). Conforme citamos anteriormente, são mais de 150 combinações de letras.

Para alguém memorizar as 150 combinações e dar uma resposta em menos de um minuto somente sendo um Mágico, rs.
 Figura - 07

 A Figura 7 acima mostra a única informação disponível para o Mágico adivinhar qual é o número que o seu amigo imaginou. Esta é uma das mais de 150 combinações de letras.

Você deve estar perguntando como isto é possível? Escreva um comentário nesta postagem que eu te explico e ainda te envio uma cópia gratuíta do arquivo usado neste exercício por e-mail para você se divertir com seus amigos.


terça-feira, 11 de maio de 2010

Excel 2007 - Super Case - Cenario Economico - Parte 4






Vamos olhar analiticamente alguns números de nossa tabela para finalizar este Super Case.

Figura 10 - Visão Geral

Observe que a medida que a Taxa de Juros Nominal é reduzida o PIB sofre oscilações para baixo e para cima.

Como o PIB é um indicador chave da economia de um país, quanto maior o seu crescimento, melhor a saúde geral do país.

No ano de 2014 tivemos a melhor performance, 5,2%. Se eu tivesse que escolher o melhor nível desta taxa de juros eu escolheria mantê-la em torno de 4%, por que este nível proporcionou o melhor crescimento do PIB.

Este resultado foi obtido por que esta taxa gerou um taxa real de 40% que por sua vez proporcionou um crescimento do comércio interno de 8% sem cair muito o nível das exportações.

Observe que na passagem do ano 2011 para 2012, mesmo com a queda da taxa de juros de 8% para 6%, o PIB caiu de  4,4% para 4%. Uma análise superficial da situação neste ano poderia levar o Banco Central a voltar a taxa nominal ao nível de 2011, mas como o governo deste país é intrépido e analisa cuidadosamente todas as variáveis econômicas ele resolveu seguir com as reduções da taxa nominal até encontrar um novo crescimento do PIB. O que ocorreu em 2014.

Você pode pensar, mas e a taxa crescimento do emprego que caiu em 2014 versus 2011? Uma análise mais profunda da taxa de emprego o levará a perceber que numa economia crescente a qual vai se tornando madura, o percentual de crescimento de emprego tende a ser menor do que em anos anteriores, o que não significa que o desemprego aumentou, mas simplesmente que a maioria da população ativa já está empregada e o crescimento tende a cair ano a ano pela consolidação da economia.

Países com economias mais estáveis tem seu nível de crescimento do PIB menor do que economias em desenvolvimento. É óbvio que quem tem muito o que crescer apresente níveis mais elevados de crescimento.

Olhe para você mesmo e note que após certa idade você parou de crescer (para cima), mas continua crescento para os lados, rs.

Penso que com este Super Case você já possa arrumar um emprego no próximo governo, rs.

Como disse, Economia não é minha especialidade, apenas fizemos mais um Super Case para que você desenvolvesse seu nível analítico. Desta vez abordando algo mais político econômico.

Acompanhe todos os Super Cases, mantenha-se antenado.

Excel 2007 - Super Case - Cenario Economico - Parte 3






Continuando nosso Super Case Econômico...

Vamos o efeito dos indicadores anteriores no crescimento das Exportações:


Fugura 07 - Exportações

No nosso exercício o crescimento das Exportações está diretamente relacionado com a Variação Cambial. Quanto maior a variação cambial, ou seja a desvalorização da Moeda local, maior será o crescimento das Exportações. É como se os preços dos Produtos ficassem menores no mercado internacional pela desvalorização da moeda local.

Vejam como o nível do crescimento de emprego oscila conforme o aquecimento do mercado local e também pelas importações.

Figura - 08 - Empregos

Fiz uma relação direta do crescimento do emprego com o crecimento do comércio interno uma vez que as pessoas tem mais oportunidade de empreço quando as empresas precisam crescer para a tender a demanda. Parte do crescimento das empresas são supridos por tecnologia e parte pelo aumento da mão de obra.

O resultado final de todos estes indicadores é o tal do PIB (Produto Interno Bruto) que nada mais é do que a soma a do crescimento do comércio seja nacional ou por exportações. No nosso exercício fiz uma relação do PIB com o crescimento do mercado nacional e das exportações e abati parte deste crescimento pelo nível das importações que por terem origem externa inibem o investimento em produção local.

Veja a fórmula na figura a seguir:

Figura - 09 - PIB

Na próxima etapa deste Super Case vamos analisar aguns dos resultados obtidos nos anos seguintes com ações feitas no primeiro indicador que é a Taxa de Juros Nominal.

Siga o link: Parte 4

Excel 2007 - Super Case - Cenario Economico - Parte 2





Continue curtindo nosso Super Case econômico...

Agora vamos analisar o comportamento do Comércio Interno.

Veja a figura 4 abaixo:
Figura - 04 - Comércio Interno

O Comércio Interno está relacionado com a Taxa de Juros Real, por que ela determina a facilidade ou não que o consumidor tem de adquirir seus bens a prazo. Quanto menor a taxa de juros real, maior será a chance do consumidor adquirir bens aumentando o Comércio Interno.

Vamos em frente...
Figura - 05 - Investimento

Fizemos uma relação direta do Investimento com o Crescimento Interno como se fosse uma necessidade de aumentar a produtividade pelo aumento da demanda.

O Investimento não precisa ser necessariamente atrelado ao aumento da demanda, porém este é um fator determinante para motivar os investidores em aumentar seu parque fabril. Para fins didáticos fiz=xei esta relação.

Seguindo...

Figura - 06 - Importação


As Importações são parte dos Investimentos feitos para suprir a demanda do mercado interno. Sendo assim fiz uma relação direta com os Investimentos assumindo que 50% do crescimento em Investimentos será o crescimento das Importações. As Importações ocorrem por vários motivos, que vão desde a escassez de produtos no mercado interno até a criação de novos mercados conforme a exigência dos consumidores locais. A possibilidade de importa produtos com preços mais competitivos é um grante fator que aumenta as Importações. Isto causa uma queda no emprego local.

Na próxima parte deste Super Case vamos analisar as Exportações, o nível crescimento do Emprego e o PIB.
Siga o link: Parte 3

Excel 2007 - Super Case - Cenario Economico - Parte 1






Olá amiguinhos!

Estamos de volta com mais um Super Case!

Desta vez vamos falar de economia, éécaaaa! Mas todo mundo merece atenção e o Tio Ilmo não poderia deixar de fora este povo que tenta adivinhar o futuro como se fossem videntes, rs.

A idéia aqui não é dar uma aula de economia, mesmo por que este não é o meu forte, mas pelo menos usar um pequeno cenário econômico como base para treinarmos alguns recursos de porcentagem e também para entender um pouco a razão que leva nossos economistas a não tomarem decisões precipitadas sem antes analisar o contexto geral e os impactos nos vários indicadores econômicos.

Eu fiz este Super Case por que esta semana está em debate no Brasil a autonomia do Banco Central em relação ao governo para tomar as decisões de baixar ou aumentar a taxa de juros. A idéia é medir o imapcto desta mudanção em outros indicadores.

Pra começar, vamos analisar a tabela da figura abaixo:

Figura - 01 - Taxa de Juros Real

Na figura acima vemos uma relação entre a Taxa de Juros Nominal e a Taxa de Juros Real da ordem de 10 vezes maior para esta última.

A Taxa de Juros Nominal é a taxa que o Banco Central controla visando manter o nível de inflação num patamar aceitável. Esta taxa não é usada no dia a dia das pessoas quando vão comprar seus bens, apenas é um balisador para a Taxa de Juros Real, sendo que esta sim afetará o bolso do consumidor quando ele quiser comprar um bem financiado em "suaves" e "infinitas" prestações.

Usei a relação de dez vezes maior, apenas como exemplo. Esta relação pode ser maior ou menor dependendo do tipo de bem comprado e da origem deste financiamento. Ao comprar um carro ou uma casa a taxa de juros real costuma ser bem menor do que bens de menor valor. Ao fazer empréstimos bancários ou pagar parcialmente a fatura de seu cartão de crédito implicará em taxas de juros reais muito maiores do que dez vezes a taxa de juros nominal.

Vamos ao próximo passo...

Figura - 02 - Inflação

Como já disse anteriormente a taxa de inflação está diretamente relacionada com a taxa de Juros real. Quanto menor a taxa de juros real, maior o consumo. Se o consumo for maior do que a capacidade produtiva os preços sobem afetando a inflação. Apenas como referência assumimos de forma simplista que a inflação anual é 5% da Taxa de Juros real.

Vamos em frente...
Figura - 03 - Taxa de Câmbio

A Taxa de Câmbio num sistema flutuante como o brasileiro oscila conforme a disponibilidade de reservas cambiais e o seu movimento de compra e venda como ocorre num mercado comum de produtos de consumo. A transferência de moeda estrangeira para o exterior reduzem as reservas locais elevando a taxa. Por outro lado a aplicação de moeda estrangeira em papéis nacionais aumentam as reservas derrubando a taxa. O interesse destas aplicações por investidores estrangeiros ocorrem pelo auto retorno que a taxa de juros oferece. O produto neste mercado é a moeda que no caso vamos convencionar que seja o dólar. Quanto maior a saída de dólar, a tendência é que ele suba seu valor pela escassez que ocorre. O contrário tem efeito inverso reduzindo o seu valor. Algumas vezes o Governo intervém vendendo parte de suas reservas visando desvalorizar a moeda local com o intuito de aumentar as exportações. Isto só é possível quando se têm uma boa reserva cambial. O Brasil vive um bom momento econômico, por ter uma boa reserva cambial oriunda de exportações e aplicações de investidores estrangeiros, o que lhe permite controlar a variação cambial.

Para simplificar o cálculo, já que o dólar tem um comportamento semelhante ao mercado de um produto de consumo atribuimos sua variação a uma relação direta com a inflação. Fixamos sua variação em 85% da variação da Inflação. Já que a Inflação está diretamente relacionada com a Taxa de Juros o dólar pode ser baseado na Inflação.

Reforço que ieste critério é apenas uma convenção para fins didáticos, pois o dólar pode sofrer variações até por especulações que não têm nada a ver com o mercado regular. No nosso caso queremos tratar de forma mais regular, sem efeitos pontuais para facilitar a didática.

Siga a parte 2 deste Super Case.